Capa » Centros Urbanos » Estiagem mostra que crise hídrica ainda não foi superada na região de Campinas
Estiagem mostra que crise hídrica ainda não foi superada na região de Campinas
Trecho do rio Piracicaba em agosto de 2014: devastação ambiental, agora sentida novamente com a baixa vazão, como uma alerta para os poderes públicos (Foto José Pedro Martins)

Estiagem mostra que crise hídrica ainda não foi superada na região de Campinas

A forte estiagem que vigora em grande parte da Região Sudeste do Brasil está comprovando que a crise hídrica ainda não foi superada na Região Metropolitana de Campinas (RMC) e em toda a área das bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ). Deste a manhã desta quarta-feira, 6 de setembro, a RMC e bacias PCJ estão recebendo carga adicional de água liberada pelo Sistema Cantareira, para atenuar os efeitos da seca prolongada. É evidente que toda essa região continua vulnerável aos impactos das mudanças climáticas em curso e que as medidas tomadas até o momento pelo poder público, estadual e federal, não são suficientes para evitar problemas de abastecimento se a estiagem se estender por um longo período.

A liberação de mais água para a região de Campinas e conjunto das bacias PCJ apenas foi possível em função das regras em vigor no contexto da nova outorga concedida para a Sabesp gerenciar o Sistema Cantareira. Pelos termos da antiga outorga, o Cantareira liberava até 5 metros cúbicos por segundo para o PCJ. Pelas novas regras, fornece até 10 m3/s no período seco, de junho a novembro.

O Cantareira já estava liberando sete metros cúbicos por segundo e a partir de hoje a liberação é de 9,25 metros cúbicos por segundo. Cada metro cúbico equivale a mil litros de água.

Como destaca o Consórcio Intermunicipal das Bacias PCJ, os rios da região seguem com vazões bem baixas. O rio Atibaia no ponto de controle “Captação Valinhos”, por exemplo, está apresentando 11,89 m³/s, bem próximo da vazão mínima de segurança, estabelecido pela nova outorga do Cantareira que determina que sejam assegurados nesse ponto, ao menos 10 m³/s.

Outro ponto de controle é o no rio Jaguari em Buenópolis, que está apresentando 6,17 m³/s bem acima do mínimo de segurança, que é de 2 m³/s. Já o rio Piracicaba, em Piracicaba, completa o Consórcio PCJ, está apresentando na manhã dessa quarta-feira 31,73 m³/s. Em outras estiagem do passado, quando esse ponto apresentou vazões abaixo de 40m³/s, o Consórcio PCJ chegou a solicitar à Agência Nacional de Águas (ANA) o aumento da vazão do Cantareira para 12 m³/s.

 

Sobre ASN

Organização sediada em Campinas (SP) de notícias, interpretação e reflexão sobre temas contemporâneos, com foco na defesa dos direitos de cidadania e valorização da qualidade de vida. Já ganhou os prêmios de jornalismo: FEAC (2015), Prêmio Nacional de Jornalismo em Seguros (2016), ABAG-Ribeirão Preto "José Hamilton Ribeiro" de Jornalismo (2017) e Prêmio INEP de Jornalismo (2017).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>