Capa » Blog Cultura Viva » LISBOICES: Que pastel de bacalhau que nada!
LISBOICES: Que pastel de bacalhau que nada!

LISBOICES: Que pastel de bacalhau que nada!

Por Eduardo Gregori
Eu não como peixe, é verdade. Mas tão contraditório como sou, amo pastel de bacalhau. Viver em Lisboa e não comer um pastelinho de bacalhau é como estar em Minas Gerais e não tomar um cafezinho acompanhado de um tradicional pão de queijo. Hum, até me deu água na boca.
Mas nem só da culinária portuguesa nos fartamos aqui do outro lado do Atlântico. Descobri aqui em Lisboa um tipo de pastel indiano que acabou por conquistar o paladar luso e também o meu.
A chamuça, delícia que tem origem nos países árabes ainda na era medieval, chegou a Portugal pelas mãos da da culinária indo-portuguesa de Goa, Damão e Diu, regiões no oriente que um dia foram parte do domínio português pelo mundo.
São pastéis fritos em forma triangular e que têm diversos tipos de recheio. A versão mais tradicional é feita com uma massa de feijão e bem apimentadinha. Se não escorrer uma lágrima na primeira dentada, é porque não está bom!
Outras versões têm recheios de batata, de carne de vaca ou de porco moída (aqui chamada de carne picada), frango, ervas aromáticas e vegetais. Infelizmente, como bom mineiro que sou, ainda não encontrei uma recheada de queijo.

Mas o mais gostoso da chamuça é que ela agrada a gregos e troianos. Gosta de carne? tem, é vegetariano? tem também. E agora, numa linha meio gourmetizada, é possível encontrar versões mini, que funcionam mais como petiscos. Coisas do mundo moderno. Cá entre nós, prefiro as tradicionais.
A chamuça se incorporou tanto no cotidiano dos portugueses, que é super fácil encontra-las em qualquer café. Não é preciso sair em busca de um restaurante indiano ou paquistanês para provar essa delícia oriental.
Se quer fazer em casa, pode comprar nos supermercados. Pra quem vai fazer em casa, recomendo comer com uma pitada de molho mango chutney apimentado. O sabor fica ainda mais agridoce e arretado!
Aproveito para dar a receita. Quem sabe você não se anima e provar o que devoramos aqui dia sim e outro também.
Ingredientes:
Carne moída (ou vegetais) – 250 g
Cebola picada – 1
Alho picado – 2 dentes
Óleo ( a gosto )
Curry em pó – 1 colher de sopa
Cominhos em pó – 1 colher de café
Cravinhos moídos – 1 colher de café
Gengibre moído – 1 colher de café
Canela moída – 1 colher de café
Noz moscada moída – 1 colher de café
Coentros em pó – 1 colher de café
Louro moído – 1 colher de café
Sal (a gosto)
Pimenta (a gosto)
Massa folhada 
Margarina – 1 colher de sopa (derretida)
Modo de Fazer:
Aqueça um fio de óleo num tacho e adicione a cebola. Assim que a cebola fique macia e translúcida, acrescente o alho e as especiarias.
Junte a carne ou os vegetais, misture bem e tempere de sal e pimenta. Deixe cozinhar até evaporar todo o líquido e ficar sequinha. Retire do fogo e deixe esfriar – se trabalhar com o recheio quente a massa desfaz-se.
Corte uma tira de massa folhada e coloque uma colher de recheio numa das extremidades. Comece a fechar a massa, em triângulo, até ao final da tira. Sele com um pouco de água para ajudar a colar. Pincele com a manteiga derretida e leve ao forno a 200ºC, até as chamuças se apresentarem lourinhas – também pode optar por fritá-las em óleo bem quente, não necessitando para isso de as pincelar com manteiga.

 

Sobre Eduardo Gregori

Eduardo Gregori é jornalista formado pela Pontifícia Católica de Campinas. Nasceu em Belo Horizonte e por 30 anos viveu em Campinas, onde trabalhou na Rede Anhanguera de Comunicação. Atualmente é editor do blog de viagens Eu Por Aí (www.euporai.com.br) e vive em Portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>