Capa » Ecodesenvolvimento » Escassez hídrica pode afetar 55% dos municípios brasileiros em 2015, segundo a ANA
Escassez hídrica pode afetar 55% dos municípios brasileiros em 2015, segundo a ANA
Em fevereiro o rio Atibaia ficou assim em Campinas: a crise hídrica é gravíssima (Foto Adriano Rosa)

Escassez hídrica pode afetar 55% dos municípios brasileiros em 2015, segundo a ANA

Em 2015, a escassez hídrica pode afetar 55% dos municípios brasileiros. A advertência foi feita nesta quinta-feira, 4 de dezembro, em audiência na Câmara dos Deputados, pela Agência Nacional de Águas (ANA), representada pelo seu superintendente, Joaquim Guedes Corrêa Gondim Filho. Segundo estudo da ANA, o Atlas Brasil, seriam necessários R$ 22 bilhões em investimento para evitar essa escassez.

A audiência na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável foi convocada pelo deputado Sarney Filho (PV-MA). Ele disse que, no início do próximo ano, na retomada dos trabalhos legislativos, trabalhará pela criação de um Comitê de Crise Hídrica na Câmara.

Segundo o Atlas Brasil, até 2025 as demandas médias para abastecimento de água da população brasileira terão um aumento em torno de 28%. Somente na Região Sudeste, a demanda média deve aumentar de 247 metros cúbicos por segundo em 2005 para 298 metros cúbicos por segundo. É justamente a Região Sudeste uma das mais atingidas pela atual crise hídrica, ao lado da Região Nordeste e Centro-Oeste.

Entretanto, o Atlas pede um atenção especial para o Norte e Nordeste, onde ocorrem as menores proporções de mananciais e sistemas produtores de água em condições satisfatórias: 35% e 26%, respectivamente.

Sobre ASN

Organização sediada em Campinas (SP) de notícias, interpretação e reflexão sobre temas contemporâneos, com foco na defesa dos direitos de cidadania e valorização da qualidade de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.