Capa » Cidadania » Instituto Anelo de Campinas participa do Arcevia Jazz Feast na Itália
Instituto Anelo de Campinas participa do Arcevia Jazz Feast na Itália
Em pé: Amilcar Filho e Luccas. Sentados: Amilcar Pai, Filipe, Hudson e Levi: prontos para a viagem (Foto Divulgação)

Instituto Anelo de Campinas participa do Arcevia Jazz Feast na Itália

Pelo quarto ano consecutivo, o Instituto Anelo, instituição de Campinas que oferece aulas gratuitas de música na região do Campo Grande, participa do Arcevia Jazz Feast na cidade italiana de Arcevia. Trata-se de um seminário de música, voltado para o aprendizado e troca de experiências, a ser realizado entre os dias 29 de Julho e 5 de Agosto de 2018. Serão seis bolsistas de Campinas, entre alunos e professores, que terão a oportunidade de estudar com renomados mestres italianos e até mesmo brasileiros.
“Em primeiro lugar, a importância do festival para o Anelo é que nós temos a percepção, hoje, que é possível para um menino da periferia conhecer outro país pela música. Em segundo lugar, pela qualidade musical do Anelo. Desde 2015, quando participamos do festival pela primeira vez, o nível mudou muito, está muito forte”, afirma o coordenador Luccas Soares, que fará parte do grupo que viajará à Itália. Segundo ele, os italianos gostam muito do Anelo e pedem uma noite brasileira no festival.
Soares conta que em 2015 e 2016 o Anelo participou do festival como convidado, e em 2017 passou a ser parceiro do evento. E graças a essa parceria, em 2019 irá receber dois bolsistas italianos a serem escolhidos entre os melhores do festival. Os músicos ficarão cinco dias em Campinas, acompanhando o dia a dia do Anelo, e uma semana em São Paulo para uma vivência na também parceira Escola de Música do Estado de São Paulo Tom Jobim (Emesp). “Queremos recebê-los aqui com o carinho que nos recebem lá”, afirma Soares.
Além do coordenador, viajam para a Itália os seguintes músicos: o violonista e guitarrista Levi Macedo, de 25 anos; o acordeonista Hudson Sales, também de 25 anos; o trompetista Filipe Silas, de 31 anos; e o contrabaixista Amilcar José Quintino Amauro, de 40 anos, e seu filho Amilcar José Quintino Amauro Filho, baterista de 18 anos. À exceção de Soares, que é pianista e acordeonista e o fundador do Instituto, esta será a primeira vez dos demais não só no festival mas em uma viagem para fora do Brasil.
QUEM SÃO – Levi Macedo começou a aprender violão no próprio Instituto Anelo quando tinha 11 anos. Em 2007, após assistir a uma apresentação do guitarrista paulistano Michel Leme, se apaixonou pelo estilo do músico e teve aulas com ele no Souza Lima – Conservatório e Faculdade de Música em São Paulo. Em 2017 foi aprovado no Conservatório Dramático de Tatuí, o maior Conservatório de música da América Latina. É  músico profissional, professor no Instituto Anelo e no Instituto Padre Haroldo, ONG de Campinas que trabalha com dependentes químicos.
Hudson Sales é formado em Educação Física. Sempre gostou de música e tocava guitarra e violão. Até que em 2011 viajou para o Nordeste à epoca do São João e se apaixonou pela sanfona. Teve aulas particulares de acordeon, que pagava com salário que recebia do trabalho em uma academia, e estudou seis meses com Luccas Soares. Começou a trabalhar no Anelo e recebeu uma bolsa de aulas com o acordeonista Guilherme Ribeiro. Assim como Levi, hoje atua como músico profissional, tocando em grupos de forró e sertanejo.
Felipe Silas, por sua vez, concilia a profissão de enfermeiro com a paixão pela música. Começou tocando na Igreja Assembleia de Deus, onde iniciou os estudos de trompete com Nilton Rafael, da Banda da Polícia Militar. Aos 14 anos participou do projeto Unibanda, na Unicamp, e teve aulas com músicos como João Bosco Stecca, Oscarindo Roque Filho e Clovis Beltrami, todos da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas. Convidado por Luccas Soares, passou a integrar a recém-criada Orquestra Anelo.
Amilcar José Quintino Amauro é eletricista e também começou a vida de instrumentista na Igreja Assembleia de Deus. Nascido em uma família com forte ligação com a música – sua mãe foi uma das precursoras do afoxé em Campinas -, ele chegou ao Instituto Anelo inicialmente como pai de aluno e hoje participa do projeto Prática de Banda. E este ano terá a oportunidade de dividir com o filho a experiência de participar do festival na Itália.
Aliás, Amilcar Filho tinha 6 anos quando o pai decidiu matriculá-lo na aula de violão. Como ele ainda era muito novo para participar dos projetos do Anelo, começou a estudar com um professor particular, com quem aprendeu os acordes básicos. Logo depois passou a frequentar as aulas de Prática de Banda. Ficou um ano fora do Anelo e iniciou os estudos de bateria em uma escola no Campo Grande. Voltou para o Anelo, teve aulas com Beto Batera, da Timbres, e está na instituição até hoje.
CUSTOS – Os custos da viagem para a Itália são todos bancados pelos próprios músicos, com dinheiro obtido com a realização de campanhas, rifas, venda de pizzas e bazares. Segundo Luccas, a organização do Arcevia Jazz Feast oferece alimentação; a hospedagem, realizada em casa de família, custa em média 300 euros por pessoa pelo período de sete dias. As passagens de todos os bolsistas já foram compradas e parceladas no cartão de crédito.
O FESTIVAL – Em 2018, o Arcevia Jazz Feast chega à edição de número 20. Trata-se de um seminário de música realizado anualmente, sempre no verão europeu, na pequena cidade homônima localizada na região dos Marche, na Itália. São oito dias de completa imersão no aprendizado da música, com ênfase na improvisação característica do jazz, com a participação de bolsistas da Itália, Estados Unidos, África do Sul e Brasil.
As aulas são comandadas por professores italianos e estrangeiros, entre eles o brasileiro Guilherme Ribeiro, maestro da Orquestra Anelo, e que será responsável pelas aulas de acordeon e também por um curso sobre música brasileira. Diariamente, alunos e professores realizam apresentações especiais abertas à população. Mais informações sobre o festival podem ser obtidas no site www.arceviajazzfeast.it.
O INSTITUTO ANELO – O Instituto Anelo, entidade sem fins lucrativos que oferece aulas gratuitas de música para moradores da região do Campo Grande, em Campinas (SP), foi fundado formalmente em 2000. Mas teve sua origem em 1997, quando jovens moradores do Jardim Florence I, liderados por Luccas Soares, começaram a ensinar música para crianças e adolescentes. Ao longo desses anos, passaram pelo Anelo 3.500 alunos, muitos dos quais se tornaram professores e músicos profissionais.
Em 2017, o Instituto Anelo atendeu 344 alunos nos projetos Brincando com Sons (iniciação musical para crianças de 6 a 11 anos); Instrumentos e Canto (ensino de instrumentos de cordas, percussão, sopro, teclas e técnica vocal para adolescentes); Prática de Banda (técnicas musicais para adolescentes com alunos de diferentes instrumentos); e Sanfônica (ensino de sanfona para pessoas de todas as idades). A expectativa é de que e 2018 o número de estudantes chegue a 400.
ANIVERSÁRIO – No dia 27 de Maio, o Instituto Anelo realiza, das 12h às 15h, um almoço musical no Tonico’s Boteco (Rua Barão de Jaguara, 1.373, Centro, Campinas, SP), para comemorar o aniversário de 18 anos da instituição. Os convites já estão à venda, custam R$ 75 por pessoa. É mais uma oportunidade para os campineiros conhecerem e apoiarem o trabalho do Anelo, uma vez que a renda do evento será revertida para o projeto de construção da sede.
A instituição, que funciona em espaço alugado e sobrevive graças a doações e cachês de apresentações, tem até 2019 para dar início à construção do prédio próprio, no terreno cuja cessão pelo Município foi objeto de um decreto assinado pelo prefeito Jonas Donizette no dia 5 de Maio de 2014, e publicado no Diário Oficial do Município em 6 de Maio de 2016.
SERVIÇO
Instituto Anelo
Rua Professora Elizabeth S. de Oliveira Leite, 78, Jardim Florence I, Campinas, SP
Telefone: (19) 3227-6778
Email: contato@anelo.com.br

Sobre ASN

Organização sediada em Campinas (SP) de notícias, interpretação e reflexão sobre temas contemporâneos, com foco na defesa dos direitos de cidadania e valorização da qualidade de vida. Já ganhou os prêmios de jornalismo: FEAC (2015), Prêmio Nacional de Jornalismo em Seguros (2016), ABAG-Ribeirão Preto "José Hamilton Ribeiro" de Jornalismo (2017) e Prêmio INEP de Jornalismo (2017).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>