Capa » Blog Cultura Viva » LISBOICES: Tudo por 40 euros
LISBOICES: Tudo por 40 euros

LISBOICES: Tudo por 40 euros

Por Eduardo Gregori

Com este post comemoro oficialmente 1 ano de residência em Portugal. Ao contrário de muitos brasileiros que vêm para cá e que não se adaptam, digo que está tudo a correr bem. Vou ao Brasil em maio, mas apenas para passar uma semana, ver os amigos e resolver algumas coisas. Pego minha mãe e voltamos para Portugal e aí não sei quando retorno.

Portugal não é o melhor e nem o mais perfeito país do mundo. É bem verdade que aqui nós brasileiros ainda encontramos muitas dificuldades e burocracias impostas a nós simplesmente por não termos nascido aqui. Há uma certa desconfiança, um pé atrás.

Só o tempo mesmo para provar que você está aqui para trabalhar e não para viver nas tetas dos subsídios do governo. Bem, posso dizer que fiz meu primeiro imposto de renda que aqui se chama IRS, contribuo para a Segurança Social, enfim, retribuo o quanto Portugal tem me acolhido.

Quando as vezes bate aquela saudade de casa, me deparo com uma revolução que acaba de acontecer e aí vejo o quanto minha escolha de imigrar valeu a pena. Desde o dia 1º de abril, e não é mentira, todos os transportes públicos nas regiões metropolitanas de Lisboa e do Porto passaram a custar 40 euros. Antes, se eu quisesse utilizar o barco e o metrô tinha que comprar passes combinados que beiravam os 70 euros. E se incluísse outras combinações, poderia superar os 100.

Agora, posso utilizar qualquer meio de transporte público nos 18 municípios da Grande Lisboa pagando mensalmente 40 euros e melhor, meu empregador ainda me reembolsa esse valor. O plano do governo é expandir até o fim do ano este benefício para todo o país. E não para por aqui, o máximo que uma família gastará serão 80 euros. Um exemplo: pai, mãe e um casal de filhos gastarão na totalidade 80 euros por mês.

Aliás, falando em imposto de renda, a restituição é paga em média 15 dias após a entrega da declaração, caso não tenha erros e o montante que recebemos de volta é infinitamente maior que no Brasil. Aqui podemos inserir todas as nossas despesas no IRS, do cafezinho ao aluguel da casa. Só para ter uma noção, o maior valor que já recebi de restituição no Brasil nunca superou os 500 reais. Em oito meses fiscais em Portugal eu irei receber mais de 400 euros, ou seja, mais que 1.5 mil reais.

Então, são incentivos assim que me fazem superar a saudade. Ainda sou muito novo neste país. Sei que esta aventura deste lado só está a começar. Lembro-me de dizer a um amigo que imigrou comigo que era preciso ter garra para mudar de país e aqui estamos um ano depois, ainda lutando por muitos sonhos, mas que vão aos poucos se concretizando.

Dedico este Lisboices a todos que pensam em sair do Brasil e digo que só depende de você tomar as rédeas da sua vida e mesmo que seja ao 50 anos de idade, que completo no próximo dia 21. Me desejem sorte para mais um ano aqui. Garra para ficar eu tenho de sobra!

Até o próximo Lisboices!

 

Sobre Eduardo Gregori

Eduardo Gregori é jornalista formado pela Pontifícia Católica de Campinas. Nasceu em Belo Horizonte e por 30 anos viveu em Campinas, onde trabalhou na Rede Anhanguera de Comunicação. Atualmente é editor do blog de viagens Eu Por Aí (www.euporai.com.br) e vive em Portugal