Capa » Comportamento » Fashion Revolution mobiliza por indústria da moda justa, segura e transparente
Fashion Revolution mobiliza por indústria da moda justa, segura e transparente
Teaser para a Semana Fashion Revolution 2019 (Crédito Divulgação)

Fashion Revolution mobiliza por indústria da moda justa, segura e transparente

A Semana Fashion Revolution, campanha anual que ocorre em mais de 100 países, mobiliza pessoas para atuar por uma indústria da moda mais justa, segura e transparente.  De 22 a 28 de abril, espera-se mais de 275 milhões de participantes ao redor do mundo.  Em Campinas haverá programação gratuita todos os dias, em diversos espaços.

Nesses cinco anos do evento no Brasil, a hashtag #quemFezMinhasRoupas tem sido usado por milhares de pessoas para pedir maior transparência da indústria ao mesmo tempo que marcas compartilham detalhes sobre produções e trabalhadores contam suas histórias usando a hashtag #EuFizSuasRoupas.

A busca por uma moda ética, justa e transparente (Crédito Divulgação)

A busca por uma moda ética, justa e transparente (Crédito Divulgação)

A Semana Fashion Revolution 2019 começa no Dia da Terra, 22 de abril, e oferecerá ações positivas que todos e todas podem adotar para reduzir a pegada de carbono das roupas, além de destacar o impacto devastador da indústria da moda no aquecimento global. No Brasil, mais de 80 faculdades, 51 cidades de 19 estados e o Distrito Federal, vão realizar atividades diversas como palestras, trocas de roupas, oficinas, painéis de discussão e rodas de conversas para debater a futura indústria da moda, que respeita as pessoas e o planeta com trabalho justo e decente, proteção ambiental e igualdade de gênero. “Moda revolucionária é aquela que faz bem para todos: para a Terra, para quem fez e para quem usa. Lembrar que moda, representatividade e liberdade devem estar na mesma página”, diz Fernanda Simon, Diretora Executiva do Fashion Revolution Brasil.

Em Campinas – Em Campinas a iniciativa acontece há 5 anos e vem crescendo a cada edição.  São oficinas, palestras e atividades gratuitas,  produzidas de forma voluntária por pessoas alinhadas a essa ideia, que acontecem em várias regiões da cidade. Algumas atividades tem vagas limitadas e necessitam de inscrição prévia. (Confira a programação completa no final da matéria ).

Marcas e consumidores engajados – Como participar ativamente desse movimento?  Ler as etiquetas ou perguntar  ‘quem fez minhas roupas’ pode ser o primeiro passo para esta consciência. Isso permite que o consumidor conheça  mais sobre o processo criativo-produtivo  e compreenda o percurso pelo qual passam suas roupas e acessórios antes de chegar a ele.

A  Semana Fashion Revolution 2019 encorajará as pessoas a reconhecer o impacto pessoal e valorizar a qualidade em detrimento da quantidade. O debate ocorrerá sob três pilares: mudanças na indústria, culturais e políticas.

Mudanças na indústria – Não é mais possível viver em um mundo onde nossas roupas destroem o meio ambiente, prejudicam ou exploram as pessoas e reforçam as desigualdades de gênero. Este não é um modelo de negócios sustentável. A indústria da moda deve medir o sucesso além das vendas e lucros e valorizar igualmente o crescimento financeiro, o bem-estar humano e a sustentabilidade ambiental. É urgente uma indústria de moda transparente e que se responsabilize pelas suas práticas e impactos sociais e ambientais.

Mudanças culturais – A cada compra, uso e descarte de roupas, é gerada uma pegada ambiental e um impacto nas pessoas que as produzem – na maioria, mulheres. É preciso promover mudanças culturais para um consumo mais consciente e que as pessoas reconheçam seus próprios impactos ambientais e atuem para mudar a cultura da moda.

Mudanças políticas – A transparência e a responsabilidade social e ambiental da indústria global da moda devem estar na agenda governamental de todos os países. Com os regulamentos e incentivos corretos em vigor e devidamente implementados, o governo pode incentivar uma “corrida pelo primeiro lugar”, na qual pessoas e empresas recebam apoio e incentivo para adotar mentalidades e práticas mais responsáveis e sustentáveis.

O lado feio da indústria da moda – A sustentabilidade da indústria da moda está cada vez mais crescente, mas, as violações dos direitos humanos, a desigualdade de gênero e a degradação ambiental também continuam abundantes. Pesquisa da Global Slavery Index encontrou 40,3 milhões de pessoas em situação de escravidão moderna em 2016, das quais 71% são mulheres. Os dados mostram que as peças de vestuário estão entre os itens com maior risco de serem produzidos por meio da escravidão moderna.

O assédio sexual, a discriminação e a violência baseada em gênero contra as mulheres são endêmicos na indústria global de vestuário, em que elas representam 80% da força de trabalho global. A produção mundial de têxteis emite 1,2 bilhões de toneladas de gases de efeito estufa por ano, mais do que os voos internacionais e o transporte marítimo combinados. Estamos produzindo 53 milhões de toneladas de fibras para confeccionar roupas e têxteis anualmente, apenas para aterrar ou queimar 73% dessas fibras.

Um movimento global pela sustentabilidade na moda (Crédito Divulgação)

Um movimento global pela sustentabilidade na moda (Crédito Divulgação)

 

Fashion Revolution Campinas  | programação completa

22.04 (segunda)

> 19h30 |  Abertura Oficial do Evento

Mudanças Culturais, Industriais e Políticas. Com Brígida Cruz, Justine Armani, Patrícia Sant’Anna e Luiz Filho.

Local:  Senac (Rua Sacramento, 490, Centro, Campinas).

> 14h |  Oficina de Acessórios Upcycling

Oficina de criação de acessórios utilizando materiais de descarte como papelão e retalhos. Com Juliana Perez

Local:  Santa Costura de Todos os Panos  (pop up do Galleria Shopping).

Inscrições: (19) 99902.9938. Vagas limitadas.

23.04 (terça)

> 12h às 19h | Apresentação Piracaianas

Apresentação da coleção da marca Piracaianas pela artista e artesã Maria Eugênia. Peças exclusivas feitas a partir de materiais de reuso e com mão de obra local.

Local:  Santa Costura de Todos os Panos (pop up do Galleria Shopping).

> 14h às 16h | Oficina de bonecos de meias velhas

Transformar meias velhas em objetos cheios de afetividade. Questionar o tempo de vida útil dos produtos e estimular idéias para  postergar o descarte.  Com  Janaina Stropp.

Local: Loja Conceito EmeElle (Rua Dr. Emílio Ribas 1594, Cambui).

Vagas limitadas.

> 18h às 20h | Talk  ‘Moda inclusiva e diversidade de perfis na moda contemporânea. Como transformá-las em business?

Levantar discussão sobre quais são as mudanças fundamentais para a desconstrução de estigmas sobre as imagens e corpos de modelos na passarela contemporânea e no mercado da moda como um todo. Com Patricia Sant’Anna , Dimitria Freitas e Luiz Filho.

Local: Agência Luiz Filho Models  Rua Afrânio Peixoto, 335,  Parque Taquaral)

Inscrição: contato.iarasilvarodrigues@gmail.com. Vagas Limitadas.

24.04 (quarta)

> 14 h | Brechó Day

Bate-papo com Stella Vasconcelos do Canal Diga Xs sobre como aproveitar o máximo dos brechós como alternativa de consumo consciente  e brechó de trocas.

Local: Santa Costura de Todos os Panos (Rua Vieira Bueno, 156, Cambuí, Campinas)

> 16h às 18h | Mesa de discussão

‘A desconstrução de estigmas sobre as imagens e corpos de modelos na passarela contemporânea’. Com  Luiz Filho e convidados.  Vagas limitadas

Local: Casa Hygge (Rua Santo Antônio, 73, Cambuí )

25.04 (quinta)

> 14h | Oficina de Estamparia

Oficina de estamparia manual e manifesto através da estampa. Com Amanda Dumont

Local: Santa Costura de Todos os Panos  (pop up do Galleria Shopping).

Inscrições: (19) 99902.9938. Vagas limitadas.

> 16h às 18h | Palestra

‘A Mudança por meio dos Corpos’.  Com  RafaellCavaglhyery  e Vera Nortenha

Local: Casa Hygge (Rua Santo Antônio, 73, Cambuí )

19h30 às 20h30 | Talk ‘Moda ética e sustentável na prática: como aplicar na produção, no guarda roupa e no modo de consumo’.

Compartilhar as melhores maneiras de se aplicar uma moda mais ética e sustentável na prática, da produção á forma de consumo. Com Ana Vazz, Thaís Possobom e Renato Negrão Mariana

Local: Esamc (Av. Dr. Manoel Afonso Ferreira 275 Jardim Paraíso)

Inscrição para não estudantes da Esamc: contato.iarasilvarodrigues@gmail.com

 26.04 (sexta)

> 9h ás 17 h | Brechó Re-signifique 

Troca de roupas.

> 12h |  Almoço orgânico e roda de bate papo.

‘Moda Sustentável’ com Carolina Velardi e  ‘Estilo de Vida Minimalista’ com Vitória Stele

Local:  Vanilla Cuisine (Av. Dr. Jesuíno Marcondes Machado, 2069)

> 14h | Mesa Redonda: criação, confecção e sustentabilidade na moda

Roda de conversa com a estilista Gabi Meirelles, Thomás Benite  e Célia Rodrigues

Local: Santa Costura de Todos os Panos (Rua Vieira Bueno, 156, Cambuí, Campinas)

> 15h às 17h | Roda de Conversa

‘Troca de Saberes: Um Ato Revolucionário?’ Com Professor Dr. Sandro Tonso, Andrea Bomilcar e Professora Dra Nadia Nogueira.

Local: Casa Hygge (Rua Santo Antônio, 73, Cambuí )

 27.04  (sábado)

> 9h às 13h | Oficina

‘Moda e Audiovisual : Corpo Político’

Local: Casa Hygge (Rua Santo Antônio, 73, Cambuí )

> 16h as 22h | Sarau Fashion Revolution e Mesa de Encerramento

Apresentações musicais, leituras de poesia sobre temas e eixos da moda e suas mudanças, desenhos e fotografias. Espaço aberto para convivência e expressão, trocas de experiências e proximidades entres os participantes das mesas e o público.

Local: Casa Hygge (Rua Santo Antônio, 73, Cambuí )

28.04 (domingo)

> 12h |Desfile ecológico da marca Flexible Fitness Concept

Com participação de Michel Massih

> 13h |Almoço Vivo

Com chef Bruno Casella.

Local: Restaurante Brotos da Terra (Rua Heitor Penteado, 1085, Joaquim Egídio).

Reservas: (19) 981730871. Vagas limitadas.

 

Mais informações do Fashion Revolution Campinas:  www.facebook.com/events/415767225665643/

Sobre ASN

Organização sediada em Campinas (SP) de notícias, interpretação e reflexão sobre temas contemporâneos, com foco na defesa dos direitos de cidadania e valorização da qualidade de vida.