Capa » Cultura Viva » Histórias da Feira de Artesanato do Centro de Convivência em Campinas – III
Histórias da Feira de Artesanato do Centro de Convivência em Campinas – III
Maria Nazareth, vitalidade impressionante (Fotos José Pedro Martins)

Histórias da Feira de Artesanato do Centro de Convivência em Campinas – III

Ela é a matriarca da feira, a referência para os artesãos que há décadas trabalham com sonhos transformados em pulseiras, anéis, roupas e quadros. Aos 92 anos, Maria Nazareth (“é com th, não esquece”) Fernandes está lá, firme, todos os sábados e domingos, na feira de artesanato do Centro de Convivência Cultural, no Cambuí, Campinas. Durante a semana, participa da feira na praça Bento Quirino, no centro da cidade.

Em qualquer lugar, a disposição é a mesma. “Não fico em casa de jeito nenhum”, conta ela, magrinha, forte como uma rocha. A “vó”, como carinhosamente muitos a chamam, respeito absoluto à história de vida dessa mulher exemplar.

A fortaleza veio do contato com a terra, predominante em sua infância e adolescência, em Mogi Mirim e Mogi Guaçu. O pai plantava café, ela sempre ajudava na roça, enquanto não subia em árvore, nadava em rio, chupava laranja no pé. Sim, criancice invejável. Depois a família mudou para longe, região de Presidente Prudente, mas o contato com a agricultura continuava. Até que Maria Nazareth casou e mudou-se para Campinas.

Ela agarrou a vida com a força da terra

Ela agarrou a vida com a força da terra

Passou a trabalhar no comércio e se descobriu. Era a sua vocação, lidar com gente, conversar. Dirigiu caminhão, fazia carreto, mas o comércio sempre foi o forte. Morou um tempo na Baixada Santista, adorava pegar o bonde na praia, entre Santos e São Vicente. Cinco filhos, vários netos, uma grande família sempre por perto. Hoje mora com uma neta, que a ajuda no trabalho nas feiras.

“Meu espírito não é velho, não quero ficar no canto para as pessoas ficarem falando”, conta Maria Nazareth, que come pouquíssimo, talvez um dos segredos de sua vitalidade. Há poucos dias ela levou um tombo, ficou toda machucada, mas se recuperou muito rápido, para felicidade dos que a visitam sempre na feira do Cambuí.

Gosta de dizer que a rua, a feira, são “minhas faculdades”. O contato com o povo é a sua biografia. Por isso é uma trajetória tão longa e saudável. A vó Maria Nazareth faz suas pulseiras e outras peças à noite, em casa, quando já aproveitou bem o dia. Artesanato feito com a força de mãos pequenas no tamanho, enormes porque souberam como tocar a vida. (Por José Pedro Martins)

A "vó" já fez de tudo e continua fazendo o melhor, conversar com as pessoas

A “vó” já fez de tudo e continua fazendo o melhor, conversar com as pessoas

 

 

 

 

Sobre ASN

Organização sediada em Campinas (SP) de notícias, interpretação e reflexão sobre temas contemporâneos, com foco na defesa dos direitos de cidadania e valorização da qualidade de vida. Já ganhou os prêmios de jornalismo: FEAC (2015), Prêmio Nacional de Jornalismo em Seguros (2016), ABAG-Ribeirão Preto "José Hamilton Ribeiro" de Jornalismo (2017) e Prêmio INEP de Jornalismo (2017).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>