Campinas terá portal e “comunidades resilientes” para enfrentar temporada de chuvas
Chuva no centro de Campinas: cidade estará mais preparada para eventos extremos (Foto Adriano Rosa)

Campinas terá portal e “comunidades resilientes” para enfrentar temporada de chuvas

Um portal na internet, com informações atualizadas sobre a possibilidade de ocorrência de fenômenos climáticos extremos, e a formação de “comunidades resilientes” são duas das estratégias que Campinas vai utilizar para enfrentar a prevista temporada de chuvas intensas no final de 2016 e início de 2017. A “microexplosão” de 5 de junho deste ano, que afetou bairros inteiros e provocou danos em duas entidades sociais – Educandário Eurípedes e Lar dos Velhinhos – contribuiu para reforçar as medidas preventivas em Campinas, sede de uma região metropolitana que também passará a contar com um sistema integrado de monitoramento de eventos extremos.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil em Campinas e na região metropolitana, Sidnei Furtado Fernandes, um portal na internet, ligado ao site da Prefeitura Municipal e estruturado no âmbito da Campanha “Construindo Cidades Resilientes”, conterá todas as informações disponíveis, 24 horas por dia, sobre climatologia, meteorologia e sistemas de alerta, para fortalecer as medidas preventivas por parte do poder público e comunidade em geral. “Um pessoal está sendo treinado para operar esse sistema de informação, que deve operar até o fim do ano. Quanto mais informação melhor”, diz Sidnei.

Outro instrumento que está em desenvolvimento em Campinas, para enfrentar a temporada de chuvas intensas, é a formação de “comunidades resilientes”, igualmente no marco da Campanha “Cidades Resilientes”. Os bairros rurais de Vila das Garças e Piracambaia, ambos na divisa com Paulínia e vulneráveis a enchentes no rio Atibaia, foram escolhidos para sediar projetos-piloto de “comunidades resilientes”.

Os dois bairros receberam equipamentos, como pluviômetro e sensor de alagamento (como o que já existe no Distrito de Sousas e que tem contribuído para alertar a população local de possíveis enchentes), e a população local está sendo treinada sobre como agir diante de eventos extremos, sobretudo chuvas intensas. “Atenção especial está sendo dada ao empoderamento das mulheres, como prega o Marco de Sendai”, comenta Sidnei Fernandes.

Ele informa que a comunidade do Bairro da Ponte, em Itatiba, também está sendo capacitada como uma “comunidade resiliente”, igualmente com equipamentos e treinamentos. Isto porque, quando ocorre um alagamento no Bairro da Ponte, provavelmente ocorrerá o mesmo em Sousas, Vila das Garças e Piracambaia. A ideia, então, é ter uma rede de monitoramento, vigilância e mobilização.

O mesmo está sendo estruturado no conjunto dos 20 municípios da Região Metropolitana de Campinas (RMC). Estações meteorológicas completas já foram implantadas, com apoio do Instituto Agronômico (IAC), e outros locais receberão sensores.  Em breve também estará em operação um radar meteorológico, sob responsabilidade do Cepagri-Unicamp e no marco de uma parceria com o CPTEC-INPE  (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O conceito é que a RMC, com apoio da Agemcamp, tenha uma plataforma comum de informações sobre riscos de eventos extremos, de modo a facilitar a atuação dos órgãos públicos e sociedade civil.

Sidnei Fernandes: eventos extremos ampliam áreas de risco (Foto Adriano Rosa)

Sidnei Fernandes: eventos extremos ampliam áreas de risco (Foto Adriano Rosa)

Marco de Sendai – O Marco para a Redução de Riscos de Desastres foi adotado na Terceira Conferência das Nações Unidas sobre o tema, realizada em março de 2015 em Sendai, no Japão. Participaram representantes de 187 Estados nacionais. O Marco reúne várias estratégias e ações que devem ser adotadas pelo conjunto da comunidade internacional entre 2015 e 2030, visando reduzir significativamente o risco de desastres.

São elencadas sete metas previstas no Marco de Sendai, estipulando a redução de mortalidade e pessoas atingidas por desastres, e também das perdas econômicas e de infraestrutura derivadas de desastres. Outras metas são o incremento do número de países com estratégias nacionais contra riscos de desastres, o aumento da cooperação e de sistemas de informação pela redução de desastres.

O Brasil vai implantar o Marco de Sendai, nos termos da Lei  12.608, de 2012, sobre a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil. Entre outros pontos, essa primeira Lei Nacional sobre a temática prevê a estruturação de sistemas nacional, estaduais e municipais de Proteção e Defesa Civil. A Região Metropolitana de Campinas (RMC) é pioneira no Brasil em acelerar os preparativos de adaptação ao que preconiza o Marco de Sendai.

A RMC, igualmente, é a primeira a ter todos municípios associados à Campanha “Construindo Cidades Resilientes” da Agência das Nações Unidas para Redução de Riscos de Desastres. A Campanha preconiza que os municípios adotem progressivamente mecanismos e instrumentos para atuação preventiva, frente a mudanças climáticas e eventos extremos, minimizando riscos e desastres.  “Antes a cultura era de agir de forma reativa, agora o que se pretende é uma cultura de proatividade, de prevenção de riscos”, diz Sidnei Fernandes, que é o promotor da Campanha no Brasil.

O Brasil é o país com maior número de municípios que já aderiram à Campanha. São 921, tendo 235 aderido em 2016. O estado de São Paulo lidera o ranking nacional, com 383 municípios na Campanha. (Por José Pedro Martins)  

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>