Capa » Cidadania » Polêmica em Campinas sobre questão de gênero nas escolas tem repercussão nacional
Polêmica em Campinas sobre questão de gênero nas escolas tem repercussão nacional
Conferência Municipal de Educação aprovou texto incluindo a palavra "gênero" (Foto José Pedro Martins)

Polêmica em Campinas sobre questão de gênero nas escolas tem repercussão nacional

Já alcançou repercussão nacional a polêmica em curso em Campinas sobre o projeto em tramitação na Câmara Municipal, proibindo legislações sobre gênero e orientação sexual nas escolas. O tema também estará em discussão nesta quinta-feira, 18 de junho, a partir das 18h30, no Salão Nobre da Faculdade de Educação da Unicamp. Participarão Gabriela Tebet, professora da mesma Faculdade e a monitora de educação infantil no município de Campinas, Fernanda Lisboa, com mediação da socióloga Mariana Conti. “Educação e gênero: qual o lugar da escola nesse debate?” é o tema do evento.

O vereador Campos Filho (DEM) apresentou projeto na Câmara, inserindo emenda na Lei Orgânica do Município (LOM), vetando a adesão ao que denomina “ideologia de gênero” no Plano Municipal de Educação de Campinas. “A ideologia do gênero diz que ser homem ou mulher é uma construção pessoal e por isso nas escolas não deve haver o uso do termo menina ou menino, e sim criança, defendendo que depois de mais velha é que esta criança definirá seu gênero. Trata-se de uma ideologia perigosa para casais e filhos, e que tenta impor uma situação que só existe na cabeça de alguns. Precisamos lutar veementemente contra isso, é um atentado à família e aos preceitos cristãos”, afirmou Campos, de acordo com o site da Câmara de Campinas.

Estratégia 7.21 do texto do Plano Municipal de Educação aprovado na Conferência Municipal citava a palavra "gênero" (Foto Reprodução)

Estratégia 7.21 do texto do Plano Municipal de Educação aprovado na Conferência Municipal citava a palavra “gênero” (Foto Reprodução)

A apresentação do projeto provocou reação e levou à criação de uma Comissão Especial de Estudos (CEE), presidida pelo vereador Jorge Schneider (PTB). No dia 01 de junho, também houve audiência pública na Câmara sobre o projeto, marcada por muita controvérsia.

Uma nova audiência foi marcada, mas acabou sendo cancelada, o que provocou protestos de grupos de oposição ao projeto de Campos Filho. A Comissão de Constituição e Legalidade da Câmara já definiu o vereador Vinicius Gratti (PSD) como relator da análise do projeto vetando a chamada “ideologia de gênero”.

“Em defesa de uma nova Audiência Pública sobre o tema! Em defesa do Plano Municipal de Educação proposto pela Conferência! Em luta contra o machismo, o racismo e a homo/transfobia! Em defesa de todas as famílias! Contra a emenda da opressão!”, afirmam em nota pública os Coletivos Rosa Lilás, Cores, Raízes da Liberdade e Domínio Público.

Texto enviado pelo Executivo à Câmara sobre Plano Municipal de Educação excluiu palavra "gênero" da estratégia 7.21 (Foto Reprodução)

Texto enviado pelo Executivo à Câmara sobre Plano Municipal de Educação excluiu palavra “gênero” da estratégia 7.21 (Foto Reprodução)

A Conferência Municipal de Educação, no final de maio, aprovou o texto para o Plano Municipal de Educação. A estratégia 7.21 do texto previa a garantia “nos currículos escolares conteúdos sobre questões ligadas ao gênero, a sexualidade, a saúde e a história e as culturas afro-brasileira e indígenas”. O texto enviado à Câmara pelo Executivo suprimiu a palavra “gênero” desta estratégia.

Em entrevista para a Agência Social de Notícias, o coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, afirmou que aqueles que se manifestam contra o debate sobre gênero, homofobia e discriminação em geral nas escolas “não conhecem o ambiente escolar e provavelmente não conhecem a hierarquia católica, uma vez que o papa Francisco tem se manifestado contra o preconceito”.

Vários fatores, nota Cara, contribuem para “prejuízos no aprendizado na escola, e o preconceito racial e o preconceito de gênero, em relação às diversas orientações sexuais, são dois deles”. A vida escolar e social, acrescenta, “é muito difícil para quem sofre preconceito de raça e de orientação sexual”.

“O Brasil não pode andar para trás com estes debates, nascidos da emergência de um conservadorismo extemporâneo”, adverte o coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação. Daniel Cara cita o caso do Fórum Mundial da Educação, realizado entre 19 e 22 de maio em Incheon, na Coreia do Sul. Cara participou da delegação brasileira no Fórum e nota que “os grupos fundamentalistas foram derrotados na discussão sobre gênero e educação, pois já é forte a consciência na comunidade internacional no sentido de combate à homofobia, ao machismo e à discriminação em geral”. Respeitar as individualidades, conclui Cara, “é um preceito fundamental na sociedade contemporânea”.

A discussão sobre gênero nas escolas não está restrita a Campinas. O tema foi retirado, por exemplo, do projeto sobre o Plano Municipal de Educação de São Paulo. Em outras cidades brasileiras também está ocorrendo a polêmica sobre a promoção da igualdade de gênero nas escolas, na medida em que até o dia 24 de junho devem ser aprovados os Planos Municipais de Educação.

Sobre ASN

Organização sediada em Campinas (SP) de notícias, interpretação e reflexão sobre temas contemporâneos, com foco na defesa dos direitos de cidadania e valorização da qualidade de vida. Já ganhou os prêmios de jornalismo: FEAC (2015), Prêmio Nacional de Jornalismo em Seguros (2016), ABAG-Ribeirão Preto "José Hamilton Ribeiro" de Jornalismo (2017) e Prêmio INEP de Jornalismo (2017).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>