Voluntário compartilha vida e energia com exercícios de Lian Gong no Bosque dos Jequitibás
O economista Nelson Iba, de 69 anos, ensina os exercícios de Lian Gong voluntariamente no Bosque dos Jequitibás, há 17 anos, duas vezes por semana Fotos: Adriano Rosa

Voluntário compartilha vida e energia com exercícios de Lian Gong no Bosque dos Jequitibás

Por Adriana Menezes

Cercado por um pedaço remanescente de Mata Atlântica em área urbana de Campinas, o economista Nelson Iba, de 69 anos, pratica há 17 a técnica Lian Gong. Ao som de músicas orientais e dos animais que vivem na mata, seus seguidores repetem movimentos lentos que o mestre ensina voluntariamente no Bosque dos Jequitibás. O número de praticantes oscila entre 50 e 100, todos interessados nos benefícios da técnica que uniu a Medicina Tradicional Chinesa às artes guerreiras do Oriente e exercícios terapêuticos do Ocidente.

Após as férias de julho, Nelson retomou hoje sua rotina de Lian Gong no Bosque, onde ele comparece todas as terças e quintas às 7h30. Para segui-lo, basta chegar. Não há inscrição, lista de presença ou formulário. “O Bosque foi uma ideia que deu certo”, diz o economista aposentado da CPFL há 21 anos. “Já dei aula em lugar fechado, em academia paga, mas decidi que quem quisesse fazer bastava ir ao bosque. Meu trabalho é voluntário também em Hortolândia, Sumaré e Valinhos, e já treinei equipes de centros de saúde de Campinas”, diz Nelson Iba, um dos primeiros profissionais do karatê de Campinas.

Energia vital

“Depois do karatê, procurei seguir a linha Chi Gong, para trabalhar a parte energético-terapêutica do corpo. Chi quer dizer energia vital”, explica o mestre. A técnica Lian Gong foi criada na década de 70 pelo médico ortopedista Zhuang Yuan Ming, que viveu em Shangai (China) até 2013. O principal objetivo é tratar e prevenir dores no corpo e atenuar problemas respiratórios e disfunções de órgãos internos.

Após as férias, as aulas foram retomadas hoje no bosque, sempre às terças e quintas, às 7h30  Foto: Adriano Rosa

Após as férias, as aulas foram retomadas hoje no bosque, sempre às terças e quintas, às 7h30 Foto: Adriano Rosa

Os exercícios do Lian Gong são, portanto, preventivos e curativos que atuam nos meridianos do corpo, indicados para todas as idades mas com ressalvas a estados avançados de doenças inflamatórias e infecciosas, além de não adequado a grávidas. No caso de pós-cirurgias e fraturas, o Lian Chung é recomendado, de acordo com o site Lian Gong Brasil (WWW.liangongbrasil.com.br), porque fortalece os ossos e dissolve aderências dos tecidos, auxiliando na cicatrização.  Entre os resultados da prática estão as melhorias na circulação do sangue, da resistência e da vitalidade do organismo. São 54 exercícios diferentes divididos em 18 terapias.

Quatro estações

Nelson Iba acrescentou às 18 terapias algumas técnicas complementares para acompanhar cada estação do ano. “No inverno, eu procuro trabalhar o fortalecimento do sistema respiratório para prevenir e tratar bronquites”, diz o mestre, cujos seguidores, em sua maioria, o acompanham há mais de dez anos. “Quando comecei no Bosque, eram apenas quatro pessoas, hoje fica cheio de gente e só não tem aula quando chove”, fala Nelson entre as árvores nativas e centenárias do Bosque dos Jequitibás.

O Lian Gong foi criado na década de 70 por médico chinês que uniu a medicina milenar chinesa às artes marciais e técnicas terapêuticas ocidentais, com o objetivo de tratar e prevenir dores  Foto: Adriano Rosa

O Lian Gong foi criado na década de 70 por médico que uniu a medicina chinesa às artes marciais e técnicas terapêuticas ocidentais, com o objetivo de tratar e prevenir dores Foto: Adriano Rosa

Os exercícios são simples. Não é preciso ser atleta ou estar em plena forma para conseguir acompanhar. Mas quem começa a praticar logo percebe que por trás da simplicidade existe um profundo conhecimento milenar, inspirado na medicina chinesa. “O nosso corpo é uma rede elétrica, circundada por meridianos por onde circula a energia vital, o Chi. Os exercícios, em seu ritmo, fazem fluir essa energia. A base está na respiração”, compartilha Nelson Iba.

No site WWW.liangongbrasil.com.br ele mantém os endereços onde pratica Lian Gong. Além de levar seu conhecimento a empresas, Nelson dá aulas na Associação Okinawa de Campinas e no Instituto Nipo Brasileiro. Para se atualizar, faz cursos pela Associação Brasileira de Chi Gong, onde conhece técnicas tradicionais que foram revitalizadas pelo governo Chinês. “A música também não pode ser qualquer uma. Ela é desenvolvida na China especialmente para os exercícios com a finalidade de dar o tom”, explica o campineiro filho de japoneses da ilha de Okinawa.

Os exercícios são simples e podem ser praticados por pessoas de todas as idades; no Bosque dos Jequitibás, não há inscrição, basta chegar e começar a fazer  Foto: Adriano Rosa

Os exercícios são simples e podem ser praticados por pessoas de todas as idades; no Bosque dos Jequitibás, não há inscrição, basta chegar e começar a fazer Foto: Adriano Rosa

Ação voluntária

As três filhas de Nelson são faixa preta no karatê, mas não o acompanharam no Lian Gong. Pelo trabalho voluntário, ele diz que ganha em troca “o benefício de passar o conhecimento, que não deve ficar guardado”. “Não vou ganhar dinheiro nem ficar rico com essas coisas. Comecei, na verdade, a fazer isso na periferia, no Parque Santa Bárbara. A prova de que não era fogo de palha é que continuamos até hoje.”

No Bosque, todas as terças e quintas às 7h30, Nelson explica que é proibido vender qualquer produto dentro do grupo que pratica Lian Gong, além de não permitir que se discuta política ou religião. “Trabalho com eles com o máximo respeito, dentro do limite físico de cada um e respeitando culturas e níveis sociais diferentes.”

"O nosso corpo é uma rede elétrica, circundada por meridianos por onde circula a energia vital, o Chi. Os exercícios fazem fluir essa energia", explica Nelson Iba    Foto: Adriano Rosa

“O nosso corpo é uma rede elétrica, circundada por meridianos por onde circula a energia vital, o Chi. Os exercícios fazem fluir essa energia”, explica Nelson Iba   Foto: Adriano Rosa

 

A maior parte dos praticantes de Lian Gong acompanha Nelson há mais de dez anos no Bosque dos Jequitibás; não é preciso ser atleta ou estar em plena forma para conseguir fazer os exercícios simples, porém cheios de carregados de conhecimento milenar

A maior parte dos praticantes de Lian Gong acompanha Nelson há mais de dez anos no Bosque dos Jequitibás; não é preciso ser atleta ou estar em plena forma para conseguir fazer os exercícios carregados de tradição milenar   Foto: Adriano Rosa

3 comentários

  1. Maria José Lopes Guimaraes

    Parabéns professor Nelson, pelo seu carinho, dedicação e determinação. Obrigado por você existir.

  2. Tereza Leiko

    Parabéns por esta reportagem de muita utilidade, que mostra que as pessoas de qualquer idade podem praticar exercícios que trazem o bem-estar e contribuem para uma vida mais saudável. Parabéns ao Professor Nelson Iba por esta admirável ação de cidadania e exemplo de utilidade pública que tanto benefício traz as pessoas. Parabéns também por esta atitude nobre de divulgar conhecimentos importantes à sociedade.

  3. Ricardo Amaro

    Sensei Iba!

    Grande exemplo de Ser, uma Verdadeira Conduta ser seguida! Muito conhecimento!!!
    Parabéns pela reportagem e pelas imagens!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>